InícioPortalCalendárioGaleriaFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 A paixão do capitão de gelo - Capitulo XXI

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
charlote-chan
Rank: Cabo
Rank: Cabo
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 38
Personagem Favorito : Toushirou, Karin, Asuna, Kirito, Ichigo, Natsu, Lucy, Erza, Juvia, Gray, Shaoran, Sakura, Kurogane, Tomoyo, Rukia, Byakuya, Sesshouramu, Kagome e entre outros
Anime Preferido : Bleach, Fairy Tail, SAO, Sakura Card Captors, Tsubasa Chronicle (OVAs), InuYasha, Dragon Ball Z, Ao no Exorcist, Vampire Knight, Toradora e muitos outros (shonen e shoujo:3)
Localização : Pará
Data de inscrição : 31/05/2014

MensagemAssunto: A paixão do capitão de gelo - Capitulo XXI   Sab 4 Out 2014 - 1:13

Invasão em Jigoku


Para almas que cometeram graves crimes em vida, o Inferno é o local aonde são enviadas. Os portões se abrem para aqueles cujos pecados não são purificados pela zanpakutou, já que esta somente “limpa” os cometidos após a morte, quando o konpaku perde seu coração e se torna um hollow. Os guardiões demônios, Kushanadas, se encarregam de proteger os portões e torturar essas almas por toda a eternidade, até despedaça-las.

Não há uma fuga dessa prisão. Embora os Togabitos treinem e se rebelem contra os guardiões sempre são pegos, sempre são devorados... E logo depois renascem do nível mais profundo do Inferno, dentro de poços gigantes de lava. As correntes que prendem esses Pecadores são de fato os que mantêm em Jigoku. Mesmo que apareçam no mundo dos vivos, se um Kushanada o encontrar os portões do Inferno se abrirão e as correntes o puxaram de volta, até ser empalado pela lâmina de um guardião.

Houve apenas uma vez que as correntes de um Pecador foram quebradas e o incidente quase fundiu o Inferno com a cidade de Karakura. Contudo, os portões destruídos foram restaurados pelo Kidoushuu (grupo especializado em kidou) e o Togabito responsável novamente foi acorrentado no Inferno. A memória deste dia, de um shinigami se transformar num Vastor Lorde branco e romper as correntes ficou guardada num depósito lixo onde vários ossos são jogados. Ela permaneceu perdida até outro Togabito a encontrar e então descobrir que existe sim um meio de escapar do Inferno. Apenas precisava de alguém com o mesmo sangue do shinigami ruivo. Alguém mais fácil de submeter.

KARIN POV

- Não vai machuca-la!


O dragão serpente ameaçou. Seu rosnado grave vibrando pelas paredes da caverna e dentro de mim. Dentro de um casulo de gelo eu não conseguia ver nada além das paredes azuis escamosas. Apenas escutava os barulhos do lado de fora. Imaginando uma verdadeira confusão acontecendo. Várias vozes gritavam e pelas reiatsus distorcidas, o salão da caverna se encheu. Contudo, não era isso que deixava meu coração acelerado e me fazia estremecer. A reiatsu que emanava do dragão serpente de gelo... era esmagadora. De repente ouvi um grito irado e depois uma explosão. Parecia fogo. No entanto, o dragão sequer estremeceu. O ar ficou mais pesado, trêmulo e congelante e então eu ouvi a voz grave outra vez.

- Sen Nem Hyourou!

Um estrondo preencheu a caverna. Com várias explosões seguidas junto com o som de gelo estilhaçando. Enquanto ainda o barulho ecoava, outro se sobrepunha. Pareciam pedras gigantes de gelo se movendo, girando... Em segundos, as pedras se chocaram uma na outra e o frio predominou todo o lugar. Engoli em seco, estremecendo mais chocada. Quem... quem me salvou foi...

- Sim, menina. Sou eu.


A voz cavernosa se apresentou afável. Arquejei espantada. Ainda estava sentada em formas cilindras e juntas de gelo que eram uma parte de seu corpo. O casulo onde eu estava era o próprio Hyourinmaru. Ignorando meu espanto ele continuou falando comigo.

- Não se preocupe. Ninguém vai machuca-la.


Pisquei me obrigando a respirar direito, meu coração batia acelerado de adrenalina e espanto. Segurando meu ferimento na barriga me sentei mais confortável, reparando pela primeira vez (meu pulso agitado enchia meus ouvidos) que um silêncio reinava aqui dentro. Como se todo o resto lá fora não existisse.

- O..o que v..você fez?

O dragão fez um som de escárnio, me fazendo levantar as sobrancelhas de surpresa.

- Criei uma barreira de gelo em nossa volta. Não vão destruí-la.

Seu tom foi autoritário e seguro. Me lembrava You Ou. Falando nisso, porque não sinto ele? Desde que acordei não sinto sua presença. É como se estivesse... desaparecido.

- Não desapareceu.


Pisquei levantando o rosto. Encarando as paredes azuis celestes.

- Como?

- You Ou não desapareceu. Apenas o bloquearam de você. Algum objeto está inibindo seu poder espiritual.


Pestanejei e ergui o pulso direito. A correntinha enferrujada!

- Sim. Também creio que seja isso.


Abaixei o braço, sentindo a fraqueza finalmente me vencer. Apesar de que quando Hyourinmaru apareceu e me pôs nesse casulo de gelo o miasma do Inferno não me afetava mais. Porem, meu ferimento sangrava e deve ter piorado pela corrida e minha luta patética com Shuren.

- Como você... pode estar aqui?

Deixei minha voz sair descompassada, enquanto piscava forte tentando me manter acordada.

- Sua alma é conectada com meu senhor, menina. Ele não lhe explicou sobre a troca de poderes?

Quase ri com seu tom. Parecia que estava me dando uma bronca, contudo, sua voz me relaxava. Me dando uma sensação de segurança por não estar mais sozinha. Devagar me reclinei no gelo, deitando de lado enquanto me abraçava. A ferida estava me incomodando, a cada respiração uma fisgada aguda brotava. Me tirando da tontura. Acho que era por isso que não desmaiava logo. Engolindo em seco, percebi que nem havia respondido a pergunta.

- Sim... Toushirou... me falou sobre isso.

Hyourinmaru fez um som estranho. Não era um rosnado, era mais calmo e baixo vibrando pelas paredes azuis celestes desse casulo.

- Descanse. Ficarei com você até tudo acabar. Meu senhor chegará em breve.


Isso me despertou um pouco, me fazendo estranhar. Entreabrindo os olhos, encarei uma dessas paredes suspirando de leve, para que a dor não aumentasse.

- Toushirou... está aqui?

- Sim. You Ou está com ele e o guiando para cá. Eles e alguns shinigamis invadiram Jigoku há uma hora.


Arregalei os olhos. A surpresa e a ansiedade me tomando apesar da fraqueza. Pelo tom determinado do dragão uma batalha iminente estava para começar.

KARIN POF



Horas atrás


HITSUGAYA POV

O ar dentro da cela estremeceu mais forte. Reação à minha raiva pelo Togabito continuar em silêncio. Estava perdendo a paciência, minha ira fervendo enquanto em vão tentava me controlar. Estreitei os olhos esperando mais uns segundos e suspirei possesso.

- Responda!

O Togabito deu um pulo na cadeira e pude ver que estremeceu. Engolindo em seco ele se inclinou para longe de mim. Como se fosse possível.

- E-eu não posso. Irão me matar!

Apertei os punhos, tão cerrados que se pudesse acertaria um soco nele. Quebrando sua máscara. Mas não poderia cometer essa loucura. Senão daria motivos para os Taichous que estavam aqui me trancarem numa cela, acusando de que sou incapaz de manter meu discernimento em meio aos sentimentos.

- Acredite, será pior senão dizer.

O Pecador engoliu em seco outra vez. Sua máscara se voltando para Hirako e depois para Abarai e Kyouraku. Seu nervosismo era um claro espelho de pavor.

- É impossível! Não percebem? – se virou para mim, ofegando tremulo – Mesmo que lhe diga onde aquela shinigami está não podem entrar no Inferno!

- Quem disse que não?

Olhamos para o corredor fora da cela. Kyouraku o encarava sério, a sombra do seu chapéu de palha encobrindo seus olhos. Observei o Pecador de soslaio, sua linha corporal tensa de surpresa.

- Existem vários meios de entrar em Jigoku. O que me leva a perguntar. Porque ainda está aqui?

Curvou os lábios de ironia e então vi um movimento à esquerda. O louro debochado cruzava os braços.

- Permanecer em território inimigo sem um plano de estratégia é suicídio, sabia?

O Pecador virou a mascara para frente, agora encarando Hirako que sorria sarcástico. Seu pescoço encoberto engolia convulsivamente. Esperamos uma resposta e no seu silencio entendi.

- O portão se fechou.

Ele chiou de susto. Me aproximei um passo ignorando os olhares atentos desses três, estava pensando em todos os fatos.

- Os que atacaram Karin e Hinamori atravessaram o portão logo que conseguiram derrota-las. Você não estava com eles nos canais por isso não os acompanhou.

O Pecador continuou quieto, mas seu corpo estremecia mais.

- Havia dos frontes. Um para sequestra-la e um com outro objetivo. Por quê?

Suspirando exasperado o prisioneiro se inclinou para frente na cadeira, seu corpo pendendo por causa do bakudou.

- Porque será moleque? Da primeira vez meu mestre foi atrapalhado. Ele não queria erros dessa vez.

Arregalei os olhos. Ao ver o sujeito soltou um risinho, crescendo ao ponto de se transformar numa gargalhada. Vagamente, notei que os três shinigamis me fitavam nervosos. Se perguntando por que eu não reagia. Ainda gargalhando, o pecador inclinou a cabeça para o lado, as correntes em seu pescoço tilintando.

- Onde você estava? A vadiazinha precisou de ajuda, mas ninguém...

Agi por impulso. Simplesmente isso. Sumi no shunpo aparecendo à meros passos do Pecador e então meu pé se enterrou em seu peito, derrubando-o com a cadeira. O desgraçado soltou um grito sufocando, enquanto o baque de sua queda ecoou nessa cela, pelo corredor. Eu arfava de ira, apertando o pé que continuava em cima dele sufocando-o. Hirako e Abarai gritaram incrédulos.

- HITSUGAYA!!!

- HITSUGAYA TAICHOU!!!

- CALEM-SE!

Berrei de volta. Sem deixar de encarar o Togabito que tossia mais e mais desesperado. A ira nadava por dentro de mim, quente e pesada como chumbo, transtornando minha mente já abalada e meu peito. Arfava sem parar numa tentativa de retomar o controle. Mas estava difícil. A palavra imunda soava ainda em meus ouvidos, me deixando mais possesso. Me inclinando para o pecador, pressionando o pé em seu peito sussurrei numa calma que estava longe de sentir

- Não... Insulte... minha mulher ou juro que irá se arrepender. Vou perguntar mais uma vez. Para qual nível do Inferno a levaram?

Tossindo sufocando, ele respirou fundo tentando tomar fôlego.

- Ter-terceiro!

Franzi a testa e diminuí a pressão em seu peito

- Nani?!

- A levaram... para o Terceiro Nível. A fortaleza... de Shuren-sama... se localiza lá.

Retirei o pé o deixando respirar direito (e tossindo) enquanto arfava mais sossegado, pensando no que tinha me dito. Um suspiro à minha direita me fez girar encarando Kyouraku. Pelo o olhar sério, ele entendeu o mesmo que eu.

- Vale dos Condenados.

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Ao ouvir o que queria, Kyouraku, Hirako, Abarai e eu saímos das celas do 10º bantai. Tranquei a porta ignorando os gritos de lamentos e escarnio do Togabito. Na verdade, tentava ignorar. Porem partes deles ainda relembrava.

- Há muito tempo que Shuren-sama planejou isso, taichou-san! Pela glória de nos libertar! Mesmo que demore mais um pouco ele vai conseguir! Sua mulherzinha vai nos dar esse presente!

A gargalhada estridente me deixou com ganas de cumprir a ameaça. No entanto, a maneira como disse isso apenas aumentou aquela agonia que sentia desde que conversei com You Ou. Estávamos no quartel do 8º esquadrão. Precisamente no gabinete de Kyouraku. Era muito parecido com o meu, exceto claro pelas garrafas de saquê postas numa estante perto da janela. Enquanto Kyouraku e Nanao conversavam a respeito do prisioneiro, Hirako e Abarai estavam perto dos sofás discutindo algo. Me sentia alheio a tudo isso. Estava encostado numa parede pensando somente em uma coisa.

Como faço para entrar no Inferno?


Aquilo que o Taichou do 8º bantai disse para o Togabito foi um blefe. Todos sabiam disso. Por ordens do Palácio Espiritual e a Centro 46 somos proibidos de interferir em qualquer coisa relacionada ao Inferno. Por isso, mesmo que esteja sob nossa vigilância, apenas poucos sabiam como entrar. E a única pessoa em Seireitei com esse conhecimento jamais me diria. O Comandante Yamamoto Genryuusai. Maldição! O que poderia dar mais errado?!

- Hitsugaya.

Levantei o olhar. Hirako me encarava sério e um pouco atrás dele Abarai. Pelas expressões deles queriam me perguntar algo. Era claro isso.

- Fale.

- Ainda pouco na prisão central, o Pecador disse que é a segunda vez que tentam sequestrar a irmã de Ichigo.

Fiquei calado.

- É verdade Hitsugaya Taichou?

Encarei Abarai. Ele engoliu em seco com meu olhar, empalidecendo. Isso me fez pensar. Como será que devo estar parecendo por fora? Pois por dentro tentava me manter são. Essa situação toda me tirava de eixo e isso não é bom para um Capitão.

- Responda Hitsugaya.

Soltei um suspiro encarando o nada.

- Foi há uma semana. Karin estava voltando de casa e a cercaram numa floresta à oeste de Rukongai.

Silencio.

- Uma semana... foi por isso que você saiu daquele modo da reunião com Kurotsuchi? Para onde acontecia o ataque?

Não precisei responder. Era obvio a resposta. Com meu silencio Hirako suspirou exasperado.

- Porque manteve segredo de uma coisa dessas?! Agora a garota...

- Eu sei bem disso Hirako, não precisa me dizer. – voltei o olhar para ele irritado, isso o fez parar – Mas como acha que deveria explicar ao Comandante? Que Jigoku no Togabitos invadiram Soul Society apenas para sequestrar minha companheira? Sendo que sequer sei a razão para fazerem isso?

Invés de rebater minhas perguntas (que soaram mais como um desabafo), ele apenas me encarou compreensivo.

- Entendo que esteja atormentado pela segurança dela.

Estremeci apertando os braços cruzados, desviando o olhar para o vazio outra vez. Abarai que estava calado se pronunciou.

- Então eles dividiram o grupo dessa vez. Quatro para o ataque e dois para distrair o senhor, Capitão.

Pestanejei com o que disse. Eles notaram a mudança

- O que foi?

- Dois fugitivos.

Olhei para eles, a certeza de uma possibilidade se fazendo clara em minha mente.

- Se apenas um conseguiu escapar e logo o portão se fechou, o que aconteceu com esse Pecador?

A confusão se fez presente apenas por um momento. Logo depois a surpresa deles confirmou o que estava pensando. A sobreposição de Garganta com a passagem de Jigoku se desfez e somente havia um lugar aonde esse Pecador podia aparecer.

/////////////////////////////////////////////////////////

- Ainda acho estranho.

Hirako sussurrou perto de mim. Eu não tiro sua razão. Corríamos na passagem escura e com restos mortais de exilados em Dangai. Nossos passos ecoavam alto no silencio que havia aqui, mesmo com o movimento de Kouryu, as paredes que sempre se movimentam nesse túnel. De todo modo, ainda era um espanto para mim. Depois daquela coisa, Abarai e Hirako me acompanharam até o Seikamon oficial. Mesmo sabendo que podiam ser prejudicados por isso, já que nenhum de nós tinha permissão para atravessar o portão, mesmo assim ainda vieram.

Então, de uma maneira que desconheço, a noticia do que estávamos fazendo chegou aos ouvidos do 11º esquadrão e Kenpachi vendo a oportunidade de espantar seu tédio apareceu no grande pátio junto de Madarame e Ayasegawa. Kyouraku também se fez presente e por dentro eu estava agradecido. O que pretendia fazer não era um simples resgate. Significava batalha.

Quanto mais aliados melhor o sucesso. Contudo, a maior surpresa (exceto de Kenpachi) foi o Taichou de 6º bantai saber. Quando derrubei os guardas e o portão se abriria Kuchiki Byakuya surgiu entre nós e o Seikamon. De todos os capitães era um dos que esperava que me impedisse. Com certeza ele tinha descoberto através de Abarai. Ele não sabia esconder as coisas. No entanto, sua atitude foi a mais improvável. Sem tocar na bainha de sua zanpakutou (a maioria estava tenso para um combate) ele simplesmente disse:

Flashback on

- As travessias do Seikamon Oficial são monitoradas pelo Centro Tecnológico. Se usarem logo toda a Brigada saberá.

De fato. Eu sabia dos riscos. Então nos dando as costas ele seguiu andando até a cidade atrás de nós, continuando num tom calmo.

- As Familias nobres possuem um portão particular para o Mundo dos Vivos para suas necessidades. Não é de agrado que os todos saibam nossos passos.

Incredulo, girei no lugar. Encarando seu haori que se afastava. Ao meu lado Abarai praticamente se entalava.

- Kuchiki Taichou! Está sugerindo que...

- Não me faça repetir, Renji.

Abarai se calou com a resposta e todos seguimos no shunpo Kuchiki. Até sua mansão.

Flashback off


Pisquei voltando ao presente. Há apenas alguns minutos ele abriu o portão e o atravessamos. Agora estávamos chegando à Karakura, o único lugar para onde o Pecador fugitivo poderia ir. De lá ele teria que abrir seu próprio portão e usaríamos para invadir Jigoku.

De repente, enquanto corríamos a luz branca e o som de staccato ecoou. As oito borboletas negras que nos acompanhavam atravessaram primeiro que nós e em seguida, saltamos para os céus de Karakura. Abaixo de nós havia um parque gramado. Antes de dispersamos para procurar o Pecador na cidade. (pelos meus cálculos ele teria chegado minutos depois de nós, resultado da quebra da passagem) uma voz alegre e debochada se pronunciou.

- Yare, yare. Quanta companhia da Brigada está noite.

Paramos no ar e me virei para a pessoa. Com seu chapéu listrado abaixado e ajeitando numa mão, Urahara segurava sua zanpakutou liberada. O vento soprou aqui enquanto todos continuavam estáticos. Tentando entender o que ele estava fazendo ali. (será que todos esta noite sabiam das minhas ações?) Sorrindo para nós ele apontou para o gramado, num canto que nem havia visto e então arregalei os olhos. Entre paredes alaranjadas de um kidou, se jogando contra elas desesperado, o Togabito tentava em vão romper o bakudou.

- Imagino que estejam procurando isto.

O encarei de volta e seu sorriso alargou. Como esperado, nada do que acontece em Soul Society fica desconhecido para Urahara Kisuke.

/////////////////////////////////////////////////////

Parados no gramado assistimos Urahara chegar perto do Bakudou e então bater numa das paredes, como se estivesse simplesmente batendo numa porta. O sorriso amistoso dele apenas irritou o prisioneiro, era claro pelos seus gritos.

- Oe, calma. Que tal termos uma conversinha?

O Pecador atarracado bufou de raiva.

- Eu não trato com shinigamis!

Socou a parede, onde Urahara havia aproximado o rosto. O mesmo se inclinou para longe arregalando os olhos enquanto baque estremecia o kidou. Atrás de mim, Kenpachi estalou a língua entediado.

- Que chatice.

Pela primeira vez concordei com ele. Essa espera estava corroendo meus nervos. A cada minuto perdido era o tempo há mais que Karin passava no Inferno. Ainda não havia esquecido do que You Ou me disse. Ela estava ferida e indefesa. Sob os efeitos nocivos do miasma de Jigoku.

Suspirando para manter a calma continuei assistindo Urahara tentar outra vez negociar com o Pecador, sorrindo amistoso alheio a raiva do outro.

- Ora vamos. Só queremos que faça uma coisinha e então te soltarei sem qualquer problema.

Os punhos do Togabito cerraram de raiva.

- Eu sei muito bem o que querem e de não maneira alguma farei. Shinigamis me jogarem naquele maldito Inferno! Não traírei Shuren-sama!

Saltou girando e dando um chute na parede. Minha impaciência aumentou. Isso...

- Mais que perca de tempo!

Franzi a testa e girei para trás. Kenpachi olhava o sujeito dentro do kidou. A expressão impassível dele me fez estranhar. Andando até o bakudou todos se afastaram um pouco, nos rostos a confusão por essa atitude dele. Ikkaku que estava quieto deu passo até ele.

- Taichou, o que o senhor...

A mão de Kenpachi foi ao punho da espada presa em sua cintura. Arregalei os olhos, sem surpresa Hirako, Abarai e Kyouraku também.

- Assim facilita as coisas.

- Matte, Kenpachi!

Urahara gritou se voltando tarde para o capitão. Sumindo no shunpo, Zaraki apareceu acima do bakudou sacando sua zanpakutou dando um golpe na parede. A força causou um choque, quebrando o kidou. Chocado com isso, o Pecador ficou sem reação e Zaraki deu um largo sorriso. Seu olho descoberto brilhando empolgado. Não! Saltei para impedi-lo junto mais uns três, não sabia quem eram, de qualquer modo foi tarde demais.

Torcendo o punho da espada, o gume acertou a máscara do Togabito que gritou em pânico. Suas mãos levantaram tarde para evitar o esfarelo e logo seu rosto ficou descoberto.

- Pronto.

Zaraki quase riu satisfeito. De repente, correntes apareceram se enroscando nos braços do Pecador. O som metálico ecoando enquanto os elos giraram para seu corpo. Saltei pra longe, juntos com os outros. Um deslocamento de ar girou em torno dele, levantando grama e terra. Gritando desesperado os ventos aumentaram e levantamos os rostos para os céus. Ainda que seja noite raios azuis estalaram enquanto o ar atrás deles embasava, retorcendo em várias cores. Pasmo, vi duas caveiras surgindo devagar, suas costelas abertas e seus braços, o esquerdo de um e o direito outro seguravam o beiral dos portões duplos. Eram vermelhos com chamas se sobrepondo.

- O Portão de Jigoku.

Abarai sussurrou. De repente, os gritos ficaram mais desesperados. Os portões se abriram devagar, as correntes negras e cruzadas por dentro como para garantir que nada passasse. Em meio a passagem escarlate do interior, uma imensa lâmina atravessou devagar enquanto as correntes puxavam o Pecador. Os berros de socorro eram medonhos.

- Agora!

Urahara gritou e me centrei no meu objetivo. Tomei impulso saltando no shunpo para o alto. Ao meu redor, mesmo com a ventania ensandecida consegui ouvir o barulhos dos outros me seguindo. Zaraki, Madarame e Ayasegawa riram como loucos. Simples diversão para eles. Antes do Pecador ser empalado na lâmina do Kushanada entramos no Inferno caindo no céu escarlate. Atrás de mim, os outros vieram e então o portão se fechou. Olhei em volta, atento ao guardião demônio perto de nós. Aqui, na entrada do Inferno, imensos blocos de pedra cinzentas tomavam conta do lugar. Flutuando nesse céu vermelho tablados também de pedra estavam. Pousei curvado sobre um. Encarando abaixo. Vias azuis cruzavam esse intrincado por diferentes caminhos. Aos meus lados, Abarai e Madarame caíram numa dessas pedras. Acima de mim estava Kuchiki. Ayasegawa também estava em uma à minha frente e Zaraki abaixo de mim com Kyouraku.

Todos olharam em volta, claramente estranhando. O único que não se espantou muito foi Abarai. O observei de soslaio, vendo-o suar e estreitar os olhos.

- O miasma do Inferno. – encarei a pessoa, Urahara andava ao meu lado piscando pensativo – Realmente desconforta.

Suspirei sem dizer nada. Fechei os olhos para me manter centrado. Mas mesmo assim, não pude evitar.

Karin...

Ela não está muito longe.


Reconheci a voz. You Ou.

Em que direção?

Apertei os olhos, era um pouco difícil conversar com uma zanpakutou que não era Hyourinmaru. Segundos depois ele respondeu.

Para o leste. Siga essa via abaixo de vocês e corra para o abismo. Chegará ao segundo nível.

Abri os olhos e respirei fundo.

- Vamos!

Todos saltaram ao ouvirem meu chamado. Caindo para os blocos de pedra do primeiro nível do Inferno.

HITSUGAYA POF



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nyu-chan
1º Tenente
1º Tenente
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 609
Personagem Favorito : Nyu
Anime Preferido : Madoka Magica
Localização : Atrás de você
Idade : 18
Data de inscrição : 22/06/2014

MensagemAssunto: Re: A paixão do capitão de gelo - Capitulo XXI   Sab 4 Out 2014 - 19:36

You Ou é tão foda... eu quero abraçar ele (embora provavelmente ele iria me matar com uma bicada se eu tentasse)
Simplesmente amei esse capítulo! Foi tão cheio de ação que eu até parei de respirar em certas partes.
Estou cada vez mais ansiosa pelo próximo.

_________________
Três palavras: agora são cinco

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lidi_Nalu
2º Tenente
2º Tenente
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 395
Personagem Favorito : Nastu,Lucy,N
Anime Preferido : Naruto Shippuuden, F
Localização : Em Algum Lugar... ^^
Idade : 19
Data de inscrição : 23/06/2014

MensagemAssunto: Re: A paixão do capitão de gelo - Capitulo XXI   Seg 6 Out 2014 - 18:09

Gente..... Gameiiii! "Não...Insulte...Minha Mulher.." Awwwww..... Ameiiiii!
SuperMegaIncrível.. *o* Essa Paixão dele.
Karin, ta salva ja,, Rilex! ^^
Kuchiki seu divo, Kenpachi seu perfeito!
Amo vcs! kkkk'
To super ansiosa ^^

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A paixão do capitão de gelo - Capitulo XXI   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A paixão do capitão de gelo - Capitulo XXI
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» A Dama de Gelo || Capítulo 08
» Gigantes de Gelo
» Cosplay
» Criocinese
» Capitão da FEB 1945 (1/8) Mauro Miniatures.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Anime Neo :: -- ÁREA FANFIC' ! -- :: FanFic's-
Ir para: