InícioPortalCalendárioGaleriaFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 A História de Karin

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Rukia-nee-san
Rank: 2º Sargento
Rank: 2º Sargento
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 76
Personagem Favorito : Toushirou H.
Anime Preferido : Bleach, Fairy Tail
Localização : Terra do Nunca
Idade : 20
Data de inscrição : 22/06/2014

MensagemAssunto: A História de Karin   Ter 2 Set 2014 - 2:33

Capítulo 6 - As Lágrimas de Karin

“Se o ciúme é sinal de amor, como querem alguns, é o mesmo que a febre no enfermo. Ela é sinal de que ele vive, porém uma vida enfermica, maldisposta. "

(Miguel de Cervantes)



Soul Society



A morena de esferas negras rezava em silêncio. Mantinha-se muda enquanto observava a jovem shinigami abraçar o capitão albino. Seu peito contraia-se ao reparar na ausência de atitude do rapaz, ele permitiu que a outra o abraçasse. A vida esvaziava-se do seu corpo frágil, vivia aquele momento sem emoção. Seus radiantes olhos ónix perderam o brilho, a esperança de um novo amanhecer.

Sangue sem coração, coração sem amor.

Karin avistou o desespero da ruiva, sabia que ela estava preocupada com os seus sentimentos. Mas não havia nada para se preocupar, ela estava vazia. Livre de qualquer paixão. Cerrou os olhos milésimos de segundos para voltar a desabrocha-los. Não permitiu entregar-se facilmente àquela obscuridade, não sem pelo menos tentar resistir. Ela não se entregaria à morte.  

Enfrentou as amarguras, determinada. Poderia não cantar sempre que o dia amanhecesse, poderia não dançar sempre que chovesse… Mas ainda poderia assistir ao nascer do sol e às lagrimas do céu. Mesmo que não quisesse, podia. Ela poderia não desfrutar da plena felicidade, mas tinha o direito de conservar sua vida. Mesmo que esta fosse muito dolorosa, mesmo que todos os dias fosse uma guerra, mesmo que o décimo esquadrão fosse o seu campo de batalha.

Poderia não manter o seu cativante sorriso, mas ainda lhe sobrava o olhar. Por mais que lhe tirem a sua luz e o seu brilho natural, a vida prossegue.

- Se me dá licença Capitão, irei retirar-me para cumprir os meus afazeres.

A tenente por fim reparou na humilde presença de Karin, agora que a recente shinigami se retirava, a mulher de coque dignara-se a dirigir-lhe um mísero olhar, um pouco de atenção, desperdiçar um pouco do seu tempo com a jovem de olhos ónix.

- Desculpa não reparei na tua presença. Sou a tenente do quinto esquadrão: Hinamori Momo. Prazer.

A morena tinha um rosto angelical, um sorriso que iluminava a sua face. Assemelhava-se a um querubim. E ela tencionou rivalizar com uma mulher destas? Uma pessoa dócil, atenciosa. Sua felicidade contagiava os que a rodeavam, percebia-se isso pela reaitsu do Toushirou, estava mais calma. Ela o acalmou. A outra, não ela. Não podia ter ciúmes de algo que não lhe pertencia, não podia ser tão mesquinha e egoísta. Desejava acima de tudo, até do seu próprio júbilo, que ele fosse feliz. Mesmo que essa alegria não fosse ao seu lado.

- Reparei tenente. Kurosaki Karin, shinigami às ordens do capitão Hitsugaya. Não se incomode em recordar-se de mim, não vale a pena o esforço. Irei-me retirar, tenham um bom dia.

Apreciou os três pares de olhos surpresos dirigidos a ela, antes de ausentar-se do escritório do seu capitão. Deslocava-se lentamente, como se rastejasse a própria alma. Invocava alguns momentos que desfrutara da presença do jovem albino, sabendo que esses tempos longínquos não voltariam. Estariam e permaneceriam no passado. Era indigna até para ser considerada amiga quanto mais dona do seu coração de gelo.

Seus olhos opacos estavam cobertos pela franja. Era inevitável as comparações entre elas, e era irredutível a melhor opção. A tenente Hinamori era formosa, sublime em todos os seus simples gestos, ela propiciava gargalhadas e contentamentos, era poderosa por algum motivo ocupava o posto de tenente. E ela? Era o completo oposto, eram totalmente diferentes… Não havia como as igualizar. Esses pensamentos eram um destrutivo veneno para seu espírito, para seu sorriso.  

Adentrou no seu quarto, no seu refúgio. Testemunha de todas as suas tribulações e afortúnios do destino. Afundou-se na cama macia, enterrando seu cálido rosto na confortável almofada. Abraçou o corpo debilitado com os seus próprios braços, idealizando que fossem os braços fortes do albino. Apertava os braços como se pudessem confortar o seu estado interior. Como alcançassem a sua agonia e findassem a tormenta. Em anos, permitiu-se chorar, uma primeira e última vez. As únicas lágrimas que derramaria por ele. Era uma promessa. Não choraria por algo incorrigível.

Resguardava-se em seus sentidos absolutos e relativos. Sonhos irreais sem quaisquer ruídos já que a sua realidade estava muito além de dias vividos.

O real da fantasia é que sem o real ela perde a fantasia.

- Não afogues a tua essência nas trevas, Karin.

- Como superar isto Fujin? Como afrontar isto todos os dias? Não vou suportar.

- Vais, por ti irás fazê-lo e irás conseguir, és Karin Kurosaki. Esse nome será temido, escreve o que eu te digo. Jovem shinigami, grandes pessoas enfrentam grandes adversidades. Tu precisas desta contenda para venceres a de amanhã. Tu para conseguires alcançar a vitória de hoje, tens de rebuscar as vitórias do passado. A vida é uma guerra e tu tens de estar armada e aprender quando erras. O que não te destrói, fortalece-te. Sei que as minhas palavras neste momento não te consolam, mas um dia verás que tenho razão.

- Isso quer dizer que esta angústia vai passar?

- Mentiria se afirmasse isso. Karin, quando realmente amas alguém, principalmente se essa é a tua primeira experiência com o amor, nunca o irás esquecer. Foram marcas muito profundas para simplesmente apagar, essa é a força desse sentimento. A dor não vai sarar, vai melhorar. Agora o teu coração sangra, um dia não haverá mais sangue a derramar… Mas a cicatriz da ferida permanecerá lá. Aprenderás a conformar-te com a dor, habituaras-te a ela… E aí já não causará os danos que causava.

- Era o que eu temia, estou condenada a amá-lo. Ele é a minha perdição…

- E a tua salvação. Não te preocupes, poderás sempre contar comigo. Sempre estarei aqui para te ouvir desabafar Karin.

- Obrigada Fujin.

Sua presença evaporou da mente da inconsolável morena, era só a shinigami agora. Reflectia sobre o pequeno diálogo que tivera com a sua zanpakutou. O Toushirou podia ser a sua salvação? Tinha sérias dúvidas acerca disso. Sentia de facto a sua alma conectada com a dele, estranhamento sempre que ele estava apreensivo ela detectava a situação, sem ao menos precisar de o encarar. Provavelmente eram absurdos da sua cabeça para a torturar ainda mais. Ouviu pequenas batidas na porta, e sobressaltou-se quando ouviu a pronúncia do seu nome. Recriminou-se por não ter percebido a aproximação de tal reaitsu.

- Kurosaki, precisamos conversar.



Toushirou!?

_________________
"Pinga, pinga, gota."
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nyu-chan
1º Tenente
1º Tenente
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 609
Personagem Favorito : Nyu
Anime Preferido : Madoka Magica
Localização : Atrás de você
Idade : 18
Data de inscrição : 22/06/2014

MensagemAssunto: Re: A História de Karin   Sex 12 Set 2014 - 22:43

Esse capítulo foi tão poético e melancólico *-*
Sinceramente, agora eu quero morder a Fujin até arrancar as bochechas dela *-*. Consolando a Karin desse jeito... ela virou minha segunda personagem favorita dessa fic (a primeira é a Karin, obviamente)

_________________
Três palavras: agora são cinco

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
A História de Karin
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» VW Fusca - A História - Um ícone da Industria
» Hyouka - História
» Fiat 500
» TITANIC EDIÇÃO DE ANIVERSÁRIO 100 ANOS
» Indignação com os Correios BR!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Anime Neo :: -- ÁREA FANFIC' ! -- :: FanFic's-
Ir para: