InícioPortalCalendárioGaleriaFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 A paixão do capitão de gelo - Capitulo XIII

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
charlote-chan
Rank: Cabo
Rank: Cabo
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 38
Personagem Favorito : Toushirou, Karin, Asuna, Kirito, Ichigo, Natsu, Lucy, Erza, Juvia, Gray, Shaoran, Sakura, Kurogane, Tomoyo, Rukia, Byakuya, Sesshouramu, Kagome e entre outros
Anime Preferido : Bleach, Fairy Tail, SAO, Sakura Card Captors, Tsubasa Chronicle (OVAs), InuYasha, Dragon Ball Z, Ao no Exorcist, Vampire Knight, Toradora e muitos outros (shonen e shoujo:3)
Localização : Pará
Data de inscrição : 31/05/2014

MensagemAssunto: A paixão do capitão de gelo - Capitulo XIII   Ter 12 Ago 2014 - 0:12

Notas da autora:

Yo, minna. Essa parte é onde tem ação. Ele retrata mais o titulo do cap. Acho que vão entender  Wink 

Tempestade de Gelo

KARIN POV

As nuvens negras no céu passavam agitadas, a ventania soprava forte levantando e varrendo os pedaços de gelo no pátio, (resquícios do golpe de Toushirou). Com meus cabelos e kimonos sacudindo pelo vento forte comecei a sentir um frio congelante. Relanciei o olhar para cima e me surpreendi. De repente, vários pontos brilhantes caiam do céu, o vento os sacudindo e soprando erradicos. Pedaços de gelo.

Sei que é besteira, mas não pude deixar de pensar.

É o efeito das Shikais de Hyourinmaru e You Ou. Como uma tempestade de gelo se aproximando.

Sacudi a cabeça. Para de fantasiar, Karin!

Agarrei com mais força os punhos de You Ou e encarei a frente. Mais hollows corriam até nós invadindo o pátio. Enquanto se aproximavam percebi uma coisa estranha nesses. As máscaras... estavam quebradas. Senti a reiatsu de Toushirou se condensar mais e olhei em sua direção. Segurando o punho da zanpakutou com as duas mãos, ele sumiu no shunpo aparecendo no alto. O dragão de gelo rugiu e ele se jogou para trás. Num balanço de espada, o dragão se ergueu ao lado do seu senhor e mergulhou nas quimeras. O vento deslocou veloz com o mergulho fazendo as quimeras levantarem as cabeças.

Todas as que estavam no centro da horda foram engolidas pelo dragão, que caiu como uma cascata gigante de gelo. Os hollows que pularam desviando saltaram, indo direto para Toushirou. Respirei fundo, quieta no meu lugar. Meu capitão nem virou o rosto. Balançou a zanpakutou criando outro dragão e torceu o punho, o jogando nas quimeras. A fera de gelo serpenteou veloz pelo céu, escancarando a boca e num giro de mergulho acertou mais hollows.

Os outros tentaram se aproveitar, mas Toushirou sumiu. Surgindo atrás deles, ele se virou de lado, saltando no ar sua mão livre segurando a corrente com a meia lua. Chicoteando, ele a enroscou nos pescoços de duas quimeras. Uma camada de gelo as cobrindo em segundos e então as atirou para longe. As feras se chocando num prédio.

Mesmo me concentrando, eu arregalei meus olhos um pouco. Nunca o tinha visto lutar assim... De repente, uma quimera apareceu nas suas costas. Sua máscara quebrada. Tomei impulso e sumi. Ela ia agarrá-lo quando apareci acima dela. Como no duelo, as correntes de vento giraram com força em meio redor, junto com as zanpakutous. Parei o giro e dei um golpe. A quimera jogou o pescoço para trás em tempo de ver a lâmina de vácuo cortando sua cabeça. A força do golpe foi tão forte que zuniu a partindo ao meio.

Encarei Toushirou, mas ele não estava ali. Senti sua reiatsu e me virei. Mais hollows iam pra cima dele e Toushirou mergulhava até eles, inclinando para frente. Sua mão livre brilhou num tom azul, pipocando. Uma quimera sumiu de repente, parando bem diante dele. Seu punho desceu para esmagá-lo e Toushirou bloqueou com a zanpakutou. Mais três hollows o rodearam. Já ia ajudar quando a quimera que estava na sua frente voou pra trás. Em seguida, uma corrente se enrolou num braço de uma das outras. Girando e puxando. Toushirou jogou essa nas duas restantes as atirando pra longe. Ao se virar para a horda que urrava, aquela luz voltou a estalar na sua mão que largou a corrente da zanpakutou. Ele recuou o braço e sumiu. Olhei pra cima, sabendo que apareceria lá e o vi surgindo, empurrando o braço. Uma rajada de luz azul explodiu acertando as quimeras inteiras.

- Souren Soukatsui.

Sussurrei pasma. Ele sequer disse a canção...

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Olhei para baixo. O pátio voltava a se encher. Agarrei You Ou e sumi, aparecendo ao lado do muro. Tomei impulso me atirando para o meio do pátio gigante. Antes que mais quimeras chegassem perto do portão, atravessei seu caminho e bati o pé o ar, derrapando. Quando cheguei diante do portão, girei no lugar e torci o punho, balancei num arco enorme as espadas.

A lâmina de vácuo, juntamente com a pressão de ar disparou zunindo e cortando todas as quimeras que estavam perto. Ofeguei, firmando os pés e encarando os hollows que entravam. Tive uma ideia. Sumi no shunpo quase cruzando o pátio inteiro. Quando apareci dei um golpe com as espadas gritando. Os monstros arregalaram as luzes que eram seus olhos num choque mudo.

As cinco fileiras de quimeras foram cortadas pela cintura. Tomei impulso e pulei girando as espadas de novo, disparando mais uma lâmina de ar. O golpe zunindo em transversal destruiu o restante das quimeras que entraram. Ofeguei forte, mas não estava cansada. Pelo contrario, sentia meu corpo agitado, aquecido apesar do frio congelante que tomava conta de todo o lugar. O vento também soprava agitado. As correntes de ar fortes da tempestade. Estreitei os olhos e segui com minha ideia. Saltei no shunpo, correndo pelos telhados dos prédios.

Sei que o Toushirou mandou que a gente ficasse perto do portão, mas porque esperar as feras chegarem até nós?

Apareci num lugar que me fez jogar o pescoço para trás. Era uma imensa rua. Uma avenida com um muro de uns sete metros lado a lado. Eu não tinha notado quando vim aqui ontem... De qualquer modo, quando cheguei o vento deslocou com mais força. Sorri um pouco. É como You Ou me disse, aonde eu estiver as correntes do vento girarão em minha volta.

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Dei meia volta. Umas quimeras de uns três metros corriam e saltando para cá. Apertei os olhos, reparando no jeito delas e me espantei. Elas vinham na minha direção, pra me devorar. Agarrei os punhos das zanpakutous e inclinei a cabeça. Podem vir. Quando a horda de uma dezena de quimeras chegou perto, resolvi imitar Toushirou. Respirei fundo e me inclinei pra tomar impulso. Três quimeras apareceram de repente diante de mim, escancarando as bocas e levantando os braços com as garras. Saltei sumindo e seus punhos acertaram o concreto, quebrando.

Apareci acima deles e estiquei a mão livre. Eles olharam pra mim, seguindo minha reiatsu e dei um golpe com as zanpakutou, recitando.

- Espalhados pelos ossos de uma besta...

Ouvi um rasgado de som, atrás de mim. Girei o corpo arregalando os olhos e bloqueie a mão que ia me agarrar. Olhei para cima. A quimera era humanoide. O lagarto igual ao que quase quebrou o braço de Yumichika. Respirei fundo e apoiei o pé no ar o empurrando de uma vez. Sua máscara ficou num choque quando sumi aparecendo no alto, me dobrando e dando um golpe com as espadas. Enquanto a lâmina de vácuo zunia, torci o punho pro lado e seguiu a direção, mudando de rumo. Acertando a parede do muro, abrindo um buraco, ofeguei continuando.

- .... Torre aguda, cristal vermelho, roda de aço...


Saltei para baixo, vendo mais quimeras chegarem e separei as pernas, segurando as espadas de lado, virando um pouco o corpo. Levantei a mão livre, sentindo o chão sob meus pés tremerem.

- .... Move-se e crie vento. Pare e crie tranquilidade...


Recuei a mão, com raios amarelos estourando na minha palma. Estreitei os olhos, respirando fundo. Os hollows estavam a poucos metros de mim. Então aumentei minha reiatsu, deslocando mais o vento.

- .... O som de lanças ecoa pelo castelo vazio. Hadou nº 63, RAIKOUHOU!!!!

Empurrei o braço de uma vez e um canhão de raios explodiu da minha mão. O coice do kidou me arrastou um pouco para trás, levantando meus cabelos, mas atingiu em cheio a horda de quimeras. As luzes das máscaras se arregalaram de espanto, seus urros surpresos. Os raios as cobriram abafando seus urros com o estrondo. Abaixei o braço, sorrindo. Sempre quis fazer esse kidou. Era o preferido da Kukaku e agora entendi porque.

Ofeguei admirando o efeito do meu golpe. Num faixa de 10 metros, o piso branco da rua ficou torrado. Escutei um estrondo e me virei na direção. Vinha do pátio. E mordi o lábio. Droga! Toushirou vai brigar comigo porque saí de lá. Já ia tomar impulso quando senti um deslocando de ar atrás de mim, a pressão de reiatsu tremendo o ar. Me virei de olhos arregalados. Pálida e tremendo. Um hollow parecendo um morcego sorria para mim. Atrás dele, vários apareciam do nada. A máscara branca abriu a boca e lambeu, se deliciando. Recuei devagar, minhas espadas tinindo e as quimeras cacarejaram rindo. O que estava na minha frente avançou andando, o chão sacudindo com seus passos.

- Shinigaminizinha.... – lambeu de novo a boca me arrepiando – Deliciosa...

Arfei de pânico e saltei pra longe com o shunpo, aparecendo no alto do muro à uns dez metros dali, então escutei aquele som de novo. O rasgado e um riso maníaco. Girei You Ou me virando pra trás, mas não consegui parar o golpe. A quimera deu chute que só não me quebrou porque o bolsão de ar amorteceu. Fui jogada para trás, atordoada pela força do golpe e a pressão espiritual do monstro e freei a queda. Ofegando e parando. Escutei um riso ensandecido e levantei a cabeça. A quimera-morcego saltava para mim, deliciada com meu pânico, sua perna girando para me chutar e num instante puxou o braço, fechando o punho. Perdi o equilibro no ar e fechei os olhos. Esperando o golpe me esmagar.

No ultimo segundo, uma reiatsu diferente explodiu e uma rajada gelada me banhou. O ar tremia mais forte e escutei alguém dizer.

- Ban - Kai

Arregalei os olhos. O vento gelado ficou congelante e furioso. Depois um estrondo seguido de outro. Levantei a cabeça. Sentindo a temperatura baixar drasticamente e um vapor saindo da minha boca. Na minha frente, uma parede de gelo celeste me protegia. Dei um passo para trás e bati no peito de alguém, que de imediato enrolou o braço na minha cintura. Arregalei mais os olhos. A parede de gelo se afastou de uma vez, abrindo enquanto Toushirou gritava.

- DAIGUREN HYOURINMARU!!!

O ar congelante explodiu numa rajada branca e encarei as quimeras-morcegos. Elas olhavam chocadas para o Bankai do Toushirou. Escutei um som parecido com um estilhaçar de gelo e seu braço me agarrou com mais força. Ele tomou impulso se atirando e seu braço livre se levantou. Olhei para ele e me espantei. Estava coberto de gelo!

Desferindo o golpe, ele gritou.

- HYOURYUU SENBI!

Uma corrente de gelo, girando veloz acertou as quimeras que urraram de dor. Toushirou me soltou e ouvi o bater de asas. Levantei a cabeça e meu queixo caiu. Gritando ele deu mais um golpe com a zanpakutou e uma rajada de gelo cobriu o restante das quimeras. Prendendo-as no gelo, despedaçando...

Não foi a toa que a quimera-morcego ficou chocada. Com asas imensas de gelo nas costas e uma cauda se estendendo logo abaixo delas, o Bankai dele parecia uma fusão do dragão de gelo no seu corpo. Olhei mais para cima e vi três flores gigantes de lótus azuis. Engoli em seco. Sentindo a reiatsu esmagadora emanar dele. Nem precisei mirar em volta. Sabia que a rua inteira congelou.

Ofeguei de novo. Caramba!

De repente, ele levantou a cabeça, alerta. Ouvi aquele som de novo. Os rasgados e me virei pra trás, a tempo de ver uma mão gigante tentar me pegar. Sumi no shunpo, aparecendo mais longe da rua congelada.

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Olhei em volta e vi mais pernas brancas ao meu redor, andando e correndo até mim. Quando mais mãos mergulharam na minha direção corri no shunpo, desviando.

- KUROSAKI!!!

Saltei no ar, virando a cabeça para trás. Não consegui ver o Toushirou. Tudo o que tinha às minhas costas eram os Menos Grandes de máscaras quebradas. Eles fechando totalmente o caminho e esticavam os braços brancos, os passos sacudindo o chão. Respirei fundo, empurrando o pânico que quase me matou minutos atrás e fechei os olhos, ainda subindo no ar. Agarrei com mais força os punhos das zanpakutous e lembrei daquele dia na arena. Uma onda de energia me tomou e abri os olhos. O vento explodiu feroz ao meu redor, junto com minha reiatsu e joguei o braço para trás, me dobrando e gritando.

- JIN NO SAIGA!!!

Atirei as zanpakutous para o alto e uma espiral de vento me girou. As correntes subindo do chão para o alto enquanto um brilho explodiu. Bati o pé numa corrente me firmando e estiquei a mão para trás e uma frente. Fechei os punhos no instante que as zanpakutous voaram pra eles. Com a wakisaki na mão direita, balancei o braço num arco cortando as correntes que se dispersaram. A rajada de vento atravessou a cabeça do hollow. Ele caiu pra trás desaparecendo e torci o punho, girando o corpo. A rajada se contorceu e cortou os hollows abaixo da cintura. Suas bocas estavam escancaradas, o brilho vermelho se juntando nelas e saltei no ar. Balancei a mão esquerda com a katana e outra rajada atravessou as máscaras quebradas.

Os Menos Gandes urraram desaparecendo, o cero sumindo. Ofeguei e senti o que You Ou me falou. Minha reiatsu me banhava, inundava e pelas minhas mãos senti as espadas as sugando. O vento agora eram rajadas furiosas que açoitavam meus cabelos e kimonos. Levantei a cabeça para o céu, as nuvens negras estremeciam esvoaçantes.

- Kurosaki...

Olhei na direção. Toushirou estava parado na minha frente. E novamente fiquei impressionada com seu Bankai. Demorei uns segundos para notar que ele também estava impressionado. Seu queixo caído e as sobrancelhas levantadas. Me incomodei com esse olhar incrédulo e abaixei as espadas o encarando de lado.

- O que?

Ele piscou forte e fechou a boca. Poxa, dava pra parar de me olhar como se fosse um E.T?

- Suas espadas...

As encarei e ofeguei um pouco. Elas luziam, afiadas. Igual ao bico e as garras do Rei Falcão.

- Ah. É habilidade das minhas zanpakutous.

O encarei, seu choque tinha sumido. Ele me encarava de volta com um quê no olhar que subiu um calor no meu rosto, apesar do frio congelante. Era fascinação e orgulho. Engoli em seco sem querer.

- You Ou te ensinou com o Jinzen?

- Foi.

Toushirou quase riu e me encarou nos olhos. Me espantei. Era um brilho empolgado que eu via no verde deles?!

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Nos viramos pra trás e mais quimeras chegavam. Menos Grandes, adjuchas de todas as formas. Corriam, andavam e saltavam na nossa direção. Isso me confundiu. O portão ficava na direção contraria. Porque vinham até nós? Então me lembrei do que escutei quando as quimeras-morcegos apareceram.

Shinigamizinha deliciosa.

Me arrepiei sentindo um mal estar.

Toushirou me encarou de lado percebendo.

- Pelo visto entendeu.

Continuei olhando a frente, arrepios varrendo meus braços.

- É.... Eles desistiram de fugir pra nos caçar.

Soltei um riso nervoso e ele quase riu. Olhei pra ele e levantei a sobrancelha duvidosa. Touhsirou curvava os lábios, sem um pingo de medo.

- Porque tá sorrindo?

Me olhando de lado, seu rosto assumiu um ar convencido. O que aconteceu com o cara sério de minutos atrás?

- É uma vantagem, Kurosaki. – então seus olhos miraram a frente – Esses são últimos. Percebi que o número deles caiu drasticamente quando não apareceu nenhum no portão.

Toushirou então sumiu no shunpo aparecendo abaixo de mim. Não entendi o porque quando senti uma coisa se enroscando na minha cintura, gelada. Olhei para baixo e quase dei um grito. A cauda de gelo do seu Bankai tinha me prendido firme. Me segurei com uma mão enquanto ele me puxava para baixo, ainda acima dele.

- O que você tá fazendo?!

Escutei um riso e me irritei. Isso não tem graça!

- Calma. Só quero tentar uma coisa.

Pisquei confusa e as quimeras urraram de novo. Correndo em debandada até nós. Engoli a raiva. Se ele tinha um plano, podia aturar me prender com sua cauda de gelo.

- O que é?

- Suas espadas disparam rajadas, certo?

- Sim.

Toushirou suspirou.

- Pelo golpe de ainda pouco elas aumentam quando você gira o corpo e a força também.

-OOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Senti a cauda me apertar mais e uma ideia me passou. Não! Ele ia mesmo fazer isso?

- Toushirou – ofeguei, me assustando – você não tá pensando...

- Isso mesmo.

Louco!

Me olhando sobre o ombro, ele achou graça do meu pânico. Bem, eu não achei.

- Não vai dar certo!

- Claro que vai. E não faça essa cara, Kurosaki – sorriu – eu te pego.

Louco convencido! Mas bufei, controlando meu pânico.

- É bom mesmo.

Toushirou então encarou as quimeras e senti a cauda me curvando, me deitando. Encarei o céu com as nuvens negras, respirando fundo e rezando pra que esse plano maluco dê certo.

- Quando parar subir, desfira os golpes das zanpakutous para os lados.

Pisquei.

- Cruzando-as?

- Sim.

- Tá bom.

Agarrei com mais força e senti a cauda me segurar mais firme. A cauda de gelo me abaixou, tomando impulso e olhei relance pro Toushirou. Ele também tinha se inclinado para o lado. Respirou fundo e fechei os olhos. Tomara que dê certo.

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

De repente, a cauda me puxou de uma vez girando e me atirou para o alto. De braços abertos, senti o ar se retorcer enquanto meu corpo girava, as correntes expandindo conforme eu subia veloz. Quando parou, abri os olhos. Me espantando. Podia ver todo o complexo do quartel e ao longe, um brilho me chamou atenção. Cruzei as espadas, as correntes furiosas açoitando meu kimono. Minha reiatsu aumentando e respirei fundo.

- HÁ!!!

Abri os braços. Duas rajadas desceram zunindo num “V” invertido. Enquanto caía elas acertaram os dois lados das ruas com os muros, caindo num estrondo e bloqueando qualquer saída. Toushirou se atirou para os hollows, com as asas batendo e a zanpakutou esticava à frente. Não consegui ouvir o golpe, só percebi que o deu quando pilares de gelo brotaram do chão ao redor de um monte de quimeras e giraram em torno delas fechando. Respirei fundo, ofegando e minha visão falhou. Estranhei e olhei as espadas.

“Minhas navalhas consomem muita energia espiritual para criar as rajadas e enfurecer a tempestade.”

Fechei os olhos enquanto ainda caía. Droga! Ofeguei de novo e juntei os punhos das zanpakutous. Minha reiatsu voltou um pouco ao normal e respirei aliviada. Falando nisso, cadê o Toushirou que não aparece?

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Arregalei os olhos e virei o rosto. Uma quimera-morcego voava até mim! Levantei uma mão, pronta pra disparar um kidou quando não senti nada. Nenhuma energia se concentrando. A encarei me espantando. As espadas...

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Levantei a cabeça, em pânico. Quando o hollow já iria me agarrar, seu braço esticado, uma rajada de gelo se chocou nele, o atirando pra longe. Olhei para baixo e arregalei mais os olhos. Ia me chocar com uma torre!

- AAAAAAHHHHHHH!

Fechei os olhos. Nem parei pra pensar em usar o shunpo. O vácuo onde caía era muito pesado. De repente, ouvi som de gelo. Uma rajada de ar congelante nas minhas costas e então bati em algo, deslizante perigosamente rápido. Abri os olhos e ofeguei. Eu estava descendo por uma camada de gelo celeste. Como uma rampa. Ela se curvou para cima, a queda me levantando enquanto escorregava e então o gelo acabou. Comecei a cair de novo e uma mão agarrou meu pulso. Olhei para cima. Toushirou.

Quase ri de alivio. Mas também queria xingar meu capitão. Ele voava rápido, olhando firme para frente e segui seu olhar. Uma torre de metal ao longe emitia um pulso azulado para cima. Levantei a cabeça e vi esse pulso parar no alto, expandindo ondas azuis que desapareciam.

- A barreira!

Uma quimera apareceu de repente na nossa frente e Toushirou então me balançou para trás. Pisando no ar derrapando, ele me atirou para baixo enquanto cruzou golpes com a quimera. Usei reiatsu para amortecer a queda e caí em cima de um terraço, rolando. Me levantei no movimento e comecei a correr. Direto para torre de aço.

Podia usar o shunpo, mas estava poupando energia. Gastei muito ao liberar o Jin no Saiga. Quando chegava na beirada, um Menos Grande apareceu. Se erguendo lentamente e urrando. Respirei com raiva e joguei o braço pra trás com You Ou.

Bati o pé no piso, saltando.

- SAI DO CAMINHO!

Dei um golpe, acertando em cheio sua cabeça e pousei em cima dela, tomando impulso de novo. Enquanto voava, vi um brilho vermelho pela visão periférica. Um outro hollow quimera, em cima de um terraço do prédio ao lado abria a boca para disparar um Cero. Arregalei os olhos e senti algo gelado se enroscar na minha cintura, rápido. Fui puxada para trás, enquanto o brilho disparava e novamente me atiraram de novo. Girei no ar e parei em cima de um muro, com uma passarela de poucos metros. Meus pés derraparam, tentando parar e dobrei os joelhos me firmando. Depois que me arrastei uns três metros parei e voltei a correr. Encarei a torre de aço mais perto agora.

Entendi o que Toushirou queria. Ele abriria caminho enquanto eu iria direto para a torre que emitia o pulso de reiraku, destruindo a barreira.

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Mãos brancas agarraram a borda dos muros, erguendo o corpo dos Menos Grandes. Estalei a língua, vou ter que fazer isso. Quimeras apareceram na minha frente, lagartos humanoides, esqueletos e aqueles bodes de pelo vermelho e preto. Saltei no ar e segurei You Ou com as duas mãos. De imediato minha reiatsu aumentou, os ventos enfureceram e puxei os punhos, os soltando. Gritando dei um golpe com a wakisaki e a rajada de vento varreu as quimeras decepando-as. Os Menos-Grandes de ergueram e tomei um impulso no ar. Saltando para o topo da cabeça de um. Bati o pé e pulei pra outro e outro até o muro acabar. Me virei para trás cruzando as espadas. Eles abriram as bocas, preparando os ceros. Abri os braços e duas rajadas de vento atravessaram hollow por hollow, num estrondo que destruiu toda a passarela.

Só lamento.

Me voltei e procurei pela a torre. Ali. A minha direita. Usei o shunpo, saltando no ar. Faltava pouco agora. Quando já podia ver o prédio onde ficava a torre, senti um deslocamento de ar. Perto demais. Girei a katana criando um bolsão de ar em tempo de evitar um soco gigante. Eu voava para trás. Saindo do caminho e pra longe da nossa chance de saída. Droga!

Freei com pés, me virando um pouco com a força e levantei as espadas. A katana acima, a wakisaki abaixo, ofegando e encarando o hollow que saltava. Seus punhos era gigantes. Parecia com aquele hollow que me atacou quando ainda era criança naquele jogo de futebol e Toushirou me salvou. Já ia dar um golpe quando uma mão segurou meu pulso de novo. Olhei surpresa para o lado e Toushirou me puxou de um jeito que nossos braços se enrolaram. Bati no seu peito surpresa e senti sua mão me apertar. Entendi. Encarando o hollow a frente. Toushirou esticou o braço de uma vez, me desenrolando e girou em torno de si. Me atirando pra longe de novo. Na direção da torre de aço. Não olhei pra trás, sabia que derrotaria a quimera. A força com que me jogou foi tão grande, os ventos se abrindo me dando passagem que em minutos a construção de aço estava bem na minha frente. Agarrei os punhos e parei o pé no ar, freando. Num arco grande, numa meia lua balancei as zanpakutous e as rajadas voaram zunindo, acertando a torre. O estrondo metálico ecoou alto e o aço pendendo, o próprio peso o puxando para baixo.

A torre caiu destruindo um prédio ao lado explodindo num fogo azul. Parei no ar, ofegando e sorrindo. Consegui! Eu... Eu consegui! Me virei pra trás, explodindo de euforia.

- TOUSHI...

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Um urro medonho me avisou tarde demais. Bem a minha direita. Me esquivei pro lado, girando a You Ou, mas o bolsão de ar não parou totalmente o golpe. Uma pancada pesada acertou meu lado direito e fui jogada pra longe. Quando tentei frear no ar, uma dor absurda e gritante disparou da minha perna. Arregalei os olhos de choque.

De olhos tremendo, abaixei a cabeça. Minha perna pendia mole, torta e minha calça e meia empapava num líquido quente. Ofeguei forte, sem parar. A agonia me tomando junto do choque que aumentava.

O Hollow a tinha quebrado inteira.

/////////////////////////////////////////////////

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Levantei a cabeça e senti mais quatro reiatsu distorcidas em minha volta. Morrendo de medo, cheia de dor e agonia, sumi no shunpo aparecendo em cima de um prédio. Ofegando, pisei sem querer com a perna quebrada e uma dor quase me cegou e pendi para esquerda. Rápido cravei a katana do chão, me firmando.

Meu Deus. Meu Deus. Meu Deus.

Eu entrava em pânico. Todo meu corpo tremia e um hollow apareceu na minha frente. Era mais humano de todos que vi hoje. Com o corpo todo peludo e preto a máscara branca só tinha uma fenda como os olhos. Ele me encarou por um momento, quieto. Então abriu um sorriso. Me arrepiei inteira e me arrastei pra trás. Minha perna direita se mexeu mole e fechei os olhos. Segurando com mais força os punhos das espadas.

- Doí, não é?

Abri os olhos assustada. Ele... ele falou comigo? Andando devagar, sua cabeça inclinou para minha perna quebrada e ouvi um riso satisfeito, cheio de prazer.

- Todos os ossos quebrados, a carne esmagada...

Ofeguei assustada, tremendo.

- Para!

- O joelho com certeza...

Senti uma rajada congelante. Um instante depois uma cascata de gelo cobria o hollow o paralisando. Espantada, senti um braço se enrolar na minha cintura e o ar se deslocou a minha volta. Fechei os olhos com um pouco de alivio. Mas mesmo assim...

- Kurosaki?

Ofeguei, gemendo.

- Kurosaki!

Abri os olhos encarando uma rua deserta. Estava suando frio. Eu sei disso e meu corpo inteiro tremia.

- Minha perna.

Sussurrei, entrando em mais agonia. Senti sua cabeça inclinar para baixo e então Toushirou ofegou. Como se todo ar tivesse se arrancado dele. Fechei os olhos de novo e duas lágrimas grossas escorregaram pelas minhas bochechas. Eu não aguento mais. Tá doendo muito.

- Calma.

- Mas... a minha perna...

Ofeguei mais forte, chorando com força. Já tinha quebrado a perna uma vez. E nem por isso chorei. No entanto, aquele hollow, ele não quebrou. Ele a esmagou.

- Se encoste em mim.

Escutei no meio daquela dor e quase caí em cima dele. Ainda com o braço na minha cintura senti ele devagar me erguer e então sua perna direita se esticar debaixo da minha. Ofeguei quando o peso dela mexeu os ossos quebrados. Ouvi um estilhaçar, bem perto do meu ouvido.

- Apoie a cabeça no meu ombro.

Fiz e entendi o que foi o estilhaçar. No Bankai dele havia uma camada de gelo envolta do seu pescoço indo até a metade do ombro. Toushirou o quebrou, pra me segurar melhor. Senti seu peito ondular com mais força nas minhas costas e então o braço com a espada me segurar, soltando o outro. Seus dedos encostaram na minha coxa e sua cabeça se curvou, com a respiração no meu ouvido escutei.

- Sinto muito.

O tom era arrependido. Porque?

- Sajousabaku.


Uma corrente de reiatsu se enrolou de repente na minha perna e senti meu joelho ser empurrado e apertado. Soltei um berro, agarrando seu braço na minha cintura. Eu gritei tanto que minha garganta ardeu. Meu rosto a essa altura ficou lavado de lágrimas. Quando a dor diminuiu um pouco, ofeguei pra respirar.

- Agora fique quieta.

- Tá.

Me espantei. Minha voz saiu tão sem fôlego, fraca. Em segundos senti a dor aliviando e espiei para baixo. Toushirou curava minha perna. Ainda encarando vi o sangue melando seu pé também coberto de gelo. A visão me embrulhou e fechei os olhos.

- Sua reiatsu está fraca.

Suspirei. Ele quer conversar pra me distrair. Não fazia mal, queria mesmo esquecer essa dor que me inundava.

- São as duas espadas.

- O que?

Umedeci os lábios e ofeguei mais pouco.

- You Ou me disse que usar as zanpakutous separadas consome muita energia.

- Ah.

A dor diminuiu mais. Senti meus ossos se juntando. Os músculos ao redor deles, os profundos começarem a restaurar.

- Né, capi...

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Arregalei os olhos e Toushirou levantou a cabeça. Esperamos quietos e então escutamos, muito perto.

- Shinigamizinha....

Me arrepiei e o braço na minha cintura me apertou.

- Inferno.

Olhei pra o lado, esquecendo que hollow me chamou. Toushirou acabou de dizer Inferno ?!

Escutei um barulho e Toushirou sumiu comigo, aparecendo em outra rua.

- Ele usa shunpo?

-Não é shumpo. Se chama Sonido.

- A barreira?

Ofeguei desesperada. E senti ele suspirar de novo.

- Ainda não se dispersou.

- Não.

Fechei os olhos. E senti uma tontura me tomar, junto com a dor. Toushirou olhou pra mim e ofegou. Agoniado.

- Kurosaki, acorde.

Meus olhos tremeram e escutei o tal Sonido de novo, junto com um riso. Toushirou sumiu de novo aparecendo em outro canto. Eu estremecia por inteiro. A dor do meu joelho ser colocado no lugar tinha arrancado quase todas as minhas forças. Tudo o que sentia agora era dor, pavor, agonia e tontura.

Ofeguei tremula e de olhos fechados escutei um suspiro profundo no meu ouvido. E depois a mão livre dele encostou na minha barriga.

- Sajousabaku.


Ofeguei surpresa. Uma corrente de reiatsu se enrolou na minha cintura, me prendendo firme no peito de Toushirou. Ele se inclinou para frente, dobrando a perna esquerda debaixo da minha, me fazendo dobrar também. Quase pendi pra frente.

- Não desmaie.

Arregalei os olhos. O tom firme da sua voz me acordando. Ofeguei sem ar e Toushirou esticou a perna direita pra trás. Arquejei de dor. Mas colei as costas nele, me mantendo ereta.

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Encarei a frente. O hollow que tinha quebrado minha perna direita apareceu na esquina. Toushirou apenas enfiou os braços debaixo dos meus, segurando a zanpakutou abaixada. Com o rosto ao lado do meu, o queixo apoiado no ombro senti quando inclinou a cabeça. Seus olhos se estreitaram sérios.

- Apoie o peso em mim. E se concentre no que eu fizer.

Arquejei agonizando, estremecendo. Mas acenei concordando. Coloquei meu pé esquerdo em cima do seu me endireitando, conseguindo ficar inclinada como ele estava. Ao fazer isso, porem, uma dor gritante disparou da minha outra perna.

- Calma.

Encaramos o Hollow. Ele corria saltando com o Sonido. Em minutos nos alcançaria. Escutei um estilhaçar atrás de mim e olhei para cima. Uma das flores de gelo do Bankai dele sumiu. Ofeguei assustada.

- Toushirou.

- Eu sei. Apenas faça o que eu disse.

Virei o rosto para frente. Ainda segurava minhas zanpakutous separadas e abaixei como a dele. Eu entendi sua ideia. É loucura, mas não tinha outro jeito. Nós estávamos sozinhos, presos ainda na barreira que se dispersava e só nós dois segurávamos os hollows, impedindo que se espalhassem. Não tinha como ele me deixar aos cuidados de alguém, muito menos descansando. Ferida daquele jeito era um alvo fácil ali.

- Karin.

Me espantei. Ele disse meu primeiro nome!

- Eu não posso deixar de mover a perna direita, você entende?

Engoli em seco. O hollow estava a poucos metros agora.

- Sim.

Não disse mais nada. Santo Deus. Eu estava a beira de um desmaio, agonizando de dor com a perna quebrada e presa na dele, mas de uma coisa sabia. Eu não ia morrer.

O hollow sumiu de novo e apareceu acima de nós. Olhamos pra cima e juntei os punhos das katanas, explodindo minha reiatsu, deslocando mais o vento. Girei as zanpakutous para direita e Toushirou segurou a sua com a esquerda, sussurrando.

- Vamos.

O punho do hollow desceu para nos esmagar e Toushirou usou o shunpo, aparecendo metros acima. Encarei lá embaixo, arquejando e me concentrando. “Faça o que eu fizer”. Seu braço coberto de gelo se ergueu, a zanpakutou levantada e antes que desse um golpe, escutamos um barulho atrás de nós. Foi rápido. Uns segundos. Seu braço livre enrolou na minha cintura, agarrando meu kimono e o segurei com o direito, agarrando o seu. Toushirou nos girou de uma vez (jogando nossas pernas presas no kidou pro lado) e deu um golpe de espada. Gelo em cascata voando e cobrindo o hollow por inteiro. Seu pé esquerdo pisou no ar e tomou um impulso, se jogando pra frente. Agarrei os punhos de You Ou e joguei o braço para trás.

- Humpf.

Escutei no meu ouvido. E não pude deixar de sorrir (mesmo morrendo de dor). O hollow libertou a cabeça e o tronco do gelo, abrindo a boca com um brilho vermelho crescendo. Cero. Toushirou jogou o lado esquerdo do corpo junto comigo, (do jeito eu que fazia) e girei as zanpakutou, num arco aberto estendendo o braço. Uma pressão de ar disparou zunindo, a lâmina crescendo e acertando o hollow pelo meio. O Cero sumiu enquanto a coisa caía se despedaçando e desaparecendo.

Arquejei de alivio. Estava dando certo. Lutar presa nele estava dando certo! De repente, uma cauda chicoteou, do nada. Ia nos esmagar! Fechei os olhos esperando o baque e senti um estrondo. Num segundo voamos pra trás, ar pesando e abri os olhos. Toushirou tinha nos envolvido com suas asas de gelo. Apertava os dentes, tentando frear. Não ia conseguir. O peso do golpe era demais. Arquejei e segurei minhas zanpakutous com as duas mãos, em pé na minha frente.

- Abra.

Nem questionou. As asas de dragão se estenderam e nos inclinamos para frente. Soltei os punhos das espadas e cruzei as lâminas, abrindo os braços de uma vez. O vento deslocou a nossa volta. Descendo pelos lados, subindo por debaixo de suas asas. Quebrou o vácuo onde éramos jogados, amortecendo e diminuindo. Os pés dele freando finalmente conseguiam nos parar. Quase que nos chocamos numa torre. Eu ofegava, de braços abertos segurando as espadas estendidas para os lados e Toushirou encarava o hollow de longe, estreitando os olhos. Pela sua respiração estava tão exausto quanto eu. Seu braço esquerdo enroscou na minha cintura, apertando. A zanpakutou na outra mão abaixada.

- Que... monstro é esse? A cauda dele...

- É um Vasto Lorde.

Arregalei os olhos.

- Tá brincando comigo!

O hollow olhou sobre o ombro, direto para nós e soltou um riso. O peito onde eu me apoiava ondulou mais forte, ofegante.

- Consegue manter as duas espadas?

Pensei uns segundos e lembrei do que You Ou me disse. As duas lâminas juntas eram suas asas, separadas eram a navalha de seu bico e garras. A reiatsu que emanava de mim expandia quando segurava as zanpakutous em cada mão, fazendo o Vento me envolver, criando correntes de ar que circulavam quando liberava minha Shikai girando com mais força onde eu estava... ao meu redor. Era uma habilidade que me exauria muito rápido.

Suspirei fundo.

- Consigo

Então vi uma coisa pelo canto dos olhos. Um sorriso. Pisquei surpresa.

- Yosh.

A pressão espiritual dele aumentou e então explodiu. Uma camada de gelo cobriu o prédio atrás inteiro. Nuvens negras se juntaram ainda mais no céu e vi pedaços de gelo caindo, como uma chuva. Abri a boca mais assombrada, ignorando a reiatsu monstruosa que pulsava de Toushirou. Os pedaços de gelo e pontos brancos (flocos de neve) se chocaram com as correntes de ar que criei, se misturando. Quando ofeguei de novo vapor branco saía da minha boca. Agora meu nariz ardia do frio congelante, a pele do meu rosto queimando.

Eu estava tão surpresa que nem notei que nossas reiatsu brilhavam, o halo de transbordamento aumentando e expandindo cada vez mais que as correntes de ar e gelo nos rodeavam. Soltando o braço de mim, Toushirou girou o punho passando a zanpakutou para outra mão, sua direita, enquanto estendeu o braço para baixo. Dobrou mais a perna onde eu apoiava a minha boa. Nos inclinamos mais para frente. Meus braços abertos para os lados, sua mão com a zanpakutou levantada a frente. Encarando o Hollow que saltava no ar se rindo de nós, escutei.

- Pronta?

Arquejei, me concentrando.

- Vamos.

O hollow desapareceu no Sonido e tomamos impulso desaparecendo também. Quando surgimos, ele golpeou com braço nesse instante. Nos esquivamos para o lado e jogamos nossas pernas presas no kidou, o pé dele chutando o hollow no estomago. O hollow voou pra trás, surpreso e sufocado. Girando nossos corpos, as asas de gelo bateram, mergulhamos no vácuo da queda do monstro. Abaixei o braço com a wakisaki, junto do seu e trouxe o outro pra frente do lado do seu braço direito. Toushirou se virou um pouco de lado, puxando o braço com a zanpakutou pra trás e apoiou no seu quadril. Me mexi com ele e quando o hollow abria boca para um Cero, ele gritou.

- RYUUSENKA!!!

O choque estremeceu o ar. O gelo explodindo em forma de cruz. As zanpakutous se cravaram no monstro e mexemos o braço para lado, despedaçando aquela pedra congelante. O Vento sacudia nossos kimonos e cabelos, açoitando. Arquejei sem ar, minha perna direita latejante de dor pelo chute. Fechei os olhos por um momento, enquanto Toushirou dava meia volta olhando para os lados e abaixo. Ainda que bem que não conseguia ver me rosto.

- Quantos havia quando destruiu a torre?

A pergunta me tirou da dor e respirei fundo.

- Cinco.

- São os últimos. Tsk. Onde estão os outros três?

Estremeci num espasmo de agonia. Chamando sua atenção. Seu folego prendeu ao ver meu rosto. Pálido e suado.

- Karin?

Não respondi. Continuei arquejando de olhos fechados, tentando com todas as forças não desmaiar. Então ele suspirou pesado.

- Droga.

Seu tom foi carregado de preocupação. Agoniado. De repente três reiatsu distorcidas nos cercaram e abri os olhos de espanto. Os hollow-quimeras abriam as bocas, o brilho vermelho crescendo. Toushirou não pestanejou, enrolou o braço livre na minha cintura e sumiu. O combo de ceros dispararam segundos depois, como um canhão. Toushirou apareceu no chão do patio, freando com o pé esquerdo quando derrapamos no gelo e nossas pernas presas, dobradas enquanto se firmava.

- Argh!

Arquejei. Que dor! Senti sua cabeça virar pra mim. Ele estava ficando mais preocupado, agoniado. Antes que se desesperasse (porque eu senti que falta pouco) respirou fundo e se controlou. Sua reiatsu se concentrou de novo e se curvou em posição de ataque. O braço na minha cintura me apertando mais forte.

- Não desmaie.

Engoli em seco e abri os olhos, acenando. Respirei fundo e me concentrei. O vento girou com força ao nosso redor, açoitando nas roupas e cabelos. As correntes de ar subindo e descendo e percebi que o quarteirão inteiro onde estávamos era tomado por essa ventania de neve e gelo. As paredes e tetos destelhando, até a ruas congelavam.

Me endireitei e em apoiei na sua perna esquerda de novo, as costas no seu peito e me virei de lado. Toushirou se mexeu junto comigo e puxei o braço para trás, segurando a wakisaki rente meu tronco. A chave era o sincronismo. Eu sei disso. Eu e ele tínhamos que nos mover exatamente ao mesmo tempo. Nem um segundo a mais ou menos. Nessa batalha, ferida como eu estava e ainda por cima sem o apoio do resto da Brigada, Toushirou e eu teríamos que sustentar essa barricada. Até pelo ao menos, o resto do pessoal chegar.

Eu não posso desmaiar!

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Dois dos hollows aparecem com o Sonido no patio onde estávamos e correram pra cima de nós. Toushirou tomou impulso e se atirou. Quando um deles tentaram nos pegar, esquivamos e esticamos os braços com as zanpakutou. Sumimos no shunpo aparecendo a sua esquerda. Gritando, nos dobramos pra direita e desferimos um golpe com nossas zanpakutous. Arcos de gelo e ar acertando todo o lado esquerdo da criatura que foi atirada pra parede de um prédio, arrebentando. Um deslocamento de ar veio da nossa direita e Toushirou fechou uma asa, bloqueando o golpe. Fomos arrastados pra trás no ar e freando com reiatsu, ele abriu a asa e levantei o braço esquerdo. Golpeie com a wakisaki, o vácuo cortante deslocando e acertando em cheio o hollow pelo meio. Respirei ofegante, sentindo minha reiatsu se esgotando. Pra completar escutei outro estilhaço acima de nós. Outra flor de gelo despedaçou. O Bankai do Toushirou só tinha mais uma flor.

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Me espantei e Toushirou pulou pra longe, a tempo de evitar sermos esmagados. Então girando pra trás, bateu o pé no ar tomando impulso e nos atirou de novo. Os três hollows se recuperaram dos nossos golpes e senti sua cabeça inclinar. Estreitou os olhos e aumentamos nossa reiatsu ao máximo. Isso assustou os monstros. Jogando nossos braços com as espadas para trás, o escutei dizer.

- Hyouryuu Senbi...

Puxei o ar e segurei mais firme a wakisaki.

- Fuujin...

- OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

O hollow que golpeei apareceu acima de nós, esticando o braço e Toushirou pisou de repente no ar, derrapando. Jogando os braços com as espadas em arco, giramos em nosso torno gritando.

- ZEKKU!!!

Uma corrente de vento e gelo celeste explodiu das nossas zanpakutos. Onde as lâminas tocavam o ar, com a rotação que fazíamos as correntes subiam e se expandiam furiosas, criando um tufão. O estrondo do golpe sacudindo o quarteirão. Eu forçava minhas espadas expelirem uma lâmina de vento tão cortante que despedaçava a cascata de gelo que saía do gume de Hyourinmaru, fazendo os pedaços voarem pra todos os lados. O tufão de gelo e vento se expandiu até acabar nosso giro. Se dispersando enquanto Toushirou se apoiava na perna esquerda. Ofegante como eu.

A última flor de gelo se estilhaçou, junto com seu Bankai. Abaixei os braços e juntei os punhos das katanas. Minha reiatsu praticamente esgotada. Mal conseguia respirar. Descendo devagar, flutuando até o chão, olhamos em volta para o estrago que fizemos e me espantei. Tudo num raio de meio km tinha desmoronado e estava coberto por gelo. Caramba!

Ouvi um quase riso e olhei de canto. Toushirou admirava risonho o que fizemos. Revirei os olhos.

- Não revire os olhos pra mim, Kurosaki.

Me entalei e o olhei de novo. Seus olhos se estreitavam debochados. Seus pés tocaram no piso derrapante do pátio e guardou sua espada na bainha. Ele voltou a me chamar de “Kurosaki”.

- Desculpa, Capitão.

Ele quebrou o bakudou que me prendia no seu torso e se curvou pra me ver. Sua sobrancelha estava levantada de jeito convencido. Idiota.

- Me pede “desculpas” com esse sarcasmo?

Suspirei e girei minhas zanpakutos voltando-as ao normal. Quando ergui o braço pra guardar na bainha, mal consegui mexer. Isso me assustou e também minha visão começou a escurecer, embasando. Abaixei a cabeça, ofegando. Mas ele não reparou. Estava ocupado enquanto quebrava o outro kidou de nossas pernas. Pendi para frente e seu braço esquerdo me sustentou pela cintura.

- Taichou... O senhor já deu uma olhada em volta?

- Já e posso dizer que nosso último ataque exterminou todos os experimentos de Mayuri.

- E destruiu quase o quartel inteiro.

Toushirou riu de mim enquanto dobrava minha perna direita com cuidado. De repente, senti a dor diminuir e espiei de canto. Curvado e me sustentando, ele aplicava um kidou na minha perna direita. O brilho fraco aliviando a dor. Curando. Depois de uns longos minutos se endireitou.

- Pronto. Colei todos os ossos. Quanto ao seu joelho e sua coxa vai ficar doendo mais um pouco. Lamento.

Fechei os olhos, ofegante. A tontura que segurei desde que minha perna foi quebrada me engolfava. Todas as minhas forças eram sugadas pela exaustão e o trauma que controlei na batalha causava um adormecimento nos meus nervos. Não sentia mais meus dedos, minhas pernas amoleciam...

- Oie.

Não consegui responder.

- Kuros...

Antes que terminasse, a espada escorregou da minha mão enquanto tudo ficou preto, apagando.

KARIN POF


Continua...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
A paixão do capitão de gelo - Capitulo XIII
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» A Dama de Gelo || Capítulo 08
» Gigantes de Gelo
» Cosplay
» Criocinese
» Capitão da FEB 1945 (1/8) Mauro Miniatures.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Anime Neo :: -- ÁREA FANFIC' ! -- :: FanFic's-
Ir para: